Anime Reviews BR
Especial: Hyadain

De ver em quando vamos soltar notas especiais falando de assuntos específicos, e esta é uma delas. Você curte anime e mangá? Games? Música? Se a resposta for sim, vale a pena conhecer “Hyadain”.

Kenichi Maeyamada é um compositor e músico japonês bastante famoso. Entre seus trabalhos, constam músicas como a 11ª abertura de One Piece, “Share the World” e a abertura de Baka to Test to Shokanju “Perfect Area Complete”. Só com esses exemplos já dá para ver que o cara é famoso e conhecido, principalmente no Japão.

O que nem todo mundo sabe é que ele criou uma conta do Youtube e, sob o pseudônimo “Hyadain”, começou a publicar trabalhos originais! São músicas que ou contam pequenas histórias, ou são remakes de aberturas ou encerramentos de anime, ou, e aí está o foco do seu trabalho, remixes com vocal de músicas OST de video-games antigos. Seus jogos favoritos são Final Fantasy, Dragon Quest e Mega Man, e a maioria das músicas está relacionada a eles.

Se você curte esses jogos, ou só curte anime e música, vale a pena conferir o trabalho do cara. É MUITO LEGAL! As músicas são demais, e você vai curtir demais principalmente se já conhecer elas de antes, ao ter jogado os jogos.

O confronto de poker de Dragon Quest IV ilustra a música do cassino remixada por Hyadain. O nome desta é Royal Straight Flush.

A seguir, alguns vídeos do próprio canal dele, com meus pitacos:

     1-

 http://www.youtube.com/watch?v=m5hQpND9Xao

Este primeiro vídeo é de um jogo MUITO conhecido, justamente pras pessoas entenderem melhor o que ele faz. Ele pegou a OST de Mario e fez uma música engraçada na qual Mario e Bowser confessam seu amor para a princesa Peach, que rejeita ambos, dizendo que são muito feios (lol fail). Esta versão não tem legendas em inglês porque é oficial, mas é muito fácil achar uma versão legendada e até animada no youtube.

2-

http://www.youtube.com/watch?v=26IPBZAfsbE

Este não é de video-games, mas é bem estilo anime, e muito legal. É a história de um garoto que finalmente consegue uma namorada, mas ela acaba ficando no meio do seu relacionamento com seu melhor amigo. Também trata do ciúmes do melhor amigo, que não tem namorada. Dá a impressão que quem fez os desenhos do video foi o artista de Death Note e Bakuman, embora não possa confirmar isso. Não entendi a letra pois está em japonês e não tem versão legendada, mas dá para entender muito fácil a história só prestando atenção nos desenhos. Detalhe pras referências hilárias a Pokémon e One Piece no meio do video hahaha!

O canal dele é este: http://www.youtube.com/user/hyadain2525?blend=1&ob=4#p/u/35/9myMqwJyjxk

Eu recomendo as músicas do Mega Man dele se quiser músicas engraçadas, e as músicas de Final Fantasy se quiser obras mais bonitas. Fica a dica!

Barbariccia na versão de Hyadain. É pervertida e só gosta de garotas. “Boys are a no-no!” haha!

Primeiras Impressões: Ikoku Meiro no Croisée

Review por @Lex_10

A história de Ikoku Meiru no Croisee passa-se no século 19, quando uma pequena garota japonesa chamada Yune vai morar na França e trabalhar em um estabelecimento chamado Galerie du Roi. Por quê? Historicamente falando o Japão passava por uma época de abandono de seu isolacionismo e interessava-se por aprender mais sobre as culturas ocidentais. Isto levou muitos japoneses a mandar seus filhos e filhas estudarem no exterior para trazer o conhecimento e a cultura do ocidente para o oriente. Detalhe: vimos a mesma coisa em Gosick, para quem assistiu. Aé, e o estudio responsável pela animação deste anime é o mesmo que produziu Gosick! Interessante, não?

Leitores: Não.


E-enfim, o anime conta a história de Yune, e as provações e os desafios que uma menininha encontra para adaptar-se à vida no outro lado do planeta, enquanto ela vive com Claude, um adolescente francês, e seu avô Oscar, que a trouxe do Japão.

No primeiro episódio, Yune parece muito maravilhada com a França e tudo que este novo mundo oferece. Ela não parece por enquanto ter saudades de casa ou querer voltar para o Japão, o que torna o anime um pouco irreal, qualquer criança, principalmente dessa idade, não aceitaria tão bem assim uma mudança tão radical, por mais madura e dedicada que fosse.

Claude, Yune e Oscar, respectivamente. São os personagens principais.

No entanto, ela acaba quebrando um trabalho em vidro que Claude havia acabado de terminar. Irritado, e sem saber que Yune sabia falar francês, Claude reclama com seu avô, dizendo que eles deviam mandar a garota de volta para seu país.

Yune mostra seu arrependimento a Claude dando-lhe um de seus kimonos, e Claude o vende por 500 francos. Mais tarde Claude descobre que aquele não era um simples kimono, era uma lembraça da mãe de Yune, algo muito precioso para ela. Ele questiona Yune, e descobre que a garota sabe sim falar francês. Sentindo-se mal, ele promete recuperar seu kimono. Ela diz que desistiu de algo tão importante para ela para mostrar seu comprometimento para Claude, e o suplica que a deixe ficar. Claude a deixa ficar com uma condição: que ela não desista de nada mais que seja precioso para ela. Ele também promete tentar recuperar seu precioso kimono.

No segundo episódio, vemos Yune tendo dificuldades para adaptar-se à culinária francesa. Ela não gosta de algumas coisas (basicamente queijo) mas sente-se mal em dizer. Então ela come tudo e fica dizendo que está delicioso de um modo forçado e cômico. Lógico, Claude e seu avô percebem que ela está fingindo.

"Está delicioso sim!

Yune neste episódio aprende sobre a culinária francesa. Depois entendemos que na verdade seu objetivo é aprender a gostar da culinária francesa para que ela possa cozinhar comidas deliciosas para Claude e Oscar. Claude a consola dizendo que está tudo bem se ela não gostar de algumas coisas, e que ela deve ter calma e aprender aos poucos sobre a França.

Pontos positivos:

- Esse anime é fofo. Cute. Kawaii.  Sei lá como chama-se isso, mas ele é. Mais especificamente, a Yune é. Ela tem aquele efeito “ai meu deus que lindinha que vontade de apertar” que certas garotinhas de anime passam. Fora que em certas situações apresenta expressões engraçadíssimas. Enfim, é uma personagem bastante carismática, que atrai a atenção só por estar lá, mesmo que algo extremamente interessante não esteja acontecendo (e geralmente não está).

- Este anime é historicamente certo. Refere-se a fatos históricos reais, não passa-se num “universo paralelo”. É interessante como certos animes pegam fatos históricos reais do nosso mundo e fazem por vezes histórias melhores que outros que inventam mundos totalmente diferentes com magia, dragões, espaço-naves, etc. Este é um deles, prendendo-se no mundo real apresenta uma narrativa ao mesmo tempo interessante e crível, não totalmente fantasiosa e absurda.

Pontos negativos:

- Tirando Yune, não há muitos personagens que chamem atenção. Na verdade, não há muitos personagens. Não até agora, pelo menos. Talvez isso mude no futuro mas por enquanto o único personagem realmente interessante é a linda menininha japonesa. Claude é legal certas horas, chato em outras, e o avô é simplesmente bobo e fica rindo o tempo todo. E sério, só tem esses personagens nos dois primeiros episódios.

- Em certos momentos o anime torna-se lento e tedioso. Não há ação ou eventos chocantes, é um anime um tanto “histórico” e “slice of life”. Esse estilo de anime é um pouco parado, e evidentemente não agrada a todos. Alguns poderão até classificar este anime como “chato”, já que a evolução da história é bem lenta, mas eu não concordo, é simplesmente um anime lento, que demanda paciência para assistir.

Chute:  Yune recupera o kimono de sua mãe no último episódio graças ao Claude num daqueles momentos totalmente emocionais. Ela provavelmente também ficará amiga daquele menininho do episódio um que estava espiando a loja. Imagino que ela deva ter alguma amiguinha francesa também.

Recomendo?: Depende do tipo de pessoa que você é. Se você quer ver um anime com ação, aventura e enredo envolvente, vá ver outra coisa. Se quiser um anime bonito visualmente, com uma personagem linda e fofa, e não se importa com uma história um pouco lenta e parada, com certeza este anime é uma excelente indicação. Eu gostei dos episódios que vi, embora em certos momentos os tenha achado um pouco tediosos. De qualquer jeito, vale a pena dar uma olhada só pela personagem principal.

"Obrigada pelos elogios, o senhor é muito gentil!

Primeiras Impressões: Blood-C

Nos posts denominados “primeiras impressões” nos dedicaremos a fazer o review e comentários breves dos dois primeiros episódios das séries de anime de maior sucesso da temporada, assim auxiliando aqueles que estejam na dúvida do que assistir e do que não assistir.

Blood-c

Review por @Lex_10

Blood –C é um anime produzido por Production I.G. e Clamp (logo, sim, todos os personagens têm 2 metros de altura e pesam 40 quilos) em colaboração. O anime faz parte da franquia “Blood”, assim como Blood+, para quem tiver assistido. Ou seja, não é uma continuação, mas tem a mesma temática e passa-se, teoricamente, no mesmo universo.

Conta a história de Saya Kisaragi, uma garota aparentemente normal que é um pouco desastrada e tímida e adora fazer boas ações. Mas na verdade ela carrega um segredo! (Tu-du-dum!). De noite ela deixa sua casa (um templo no qual ela é uma sacerdotisa) para caçar criaturas monstruosas chamadas furukimono! O anime conta a história de tal garota enquanto ela balanceia uma vida escolar normal, romances e amizades com batalhas de espada contra seres paranormais.

Não vou fazer um review específico do que acontece nos dois episódios basicamente porque… eles são iguais! Talvez não iguais, mas eles seguem a mesma fórmula. De manhã nós acompanhamos a vida escolar de Saya, seus amigos e afins, e à noite vemos Saya combater os furukimonos! Foi assim nos dois primeiros episódios e não parece que mudará tão cedo.

Até agora as cenas de ação não têm prendido a atenção e os personagens do anime não têm personalidades envolventes. A exceção é Saya, ela é uma personagem muito interessante. Os outros personagens simplesmente não tiveram desenvolvimento ainda, mas parecem ser aqueles personagens clichés da Clamp de sempre: Tokizane é o tipo misterioso e silencioso, Tomofusa é o interesse romântico óbvio, fora as gêmeas que sempre falam e agem juntas, as irmãs Motoe (qual é o problema desses personagens gêmeos que sempre se mexem igual, reagem igual e falam juntos as mesmas coisas? ELES SÃO GÊMEOS NÃO A MESMA PESSOA EM DOIS LUGARES DIFERENTES! Ter um gêmeo =/= ter um clone ok?).

A animação é “limpa” e fluida, embora como eu mencionei eu não tenha ficado totalmente satisfeito com o character design, mas fazer o que, a Clamp tem dessas coisas. Eu admito no entanto que as roupas estão bem trabalhadas, embora seja meio absurdo imaginar um colégio que use como cores de uniforme PRETO e VERMELHO.

A parte sonora e musical não me agradou muito, sinceramente nem a abertura se salvou, não é ruim mas simplesmente não chama a atenção.

Poxa, não parei de falar mal, então esse anime deve ser horrível, hein?

Não exatamente. Dá pra ver que vai ter certas plot twists “semi-previsíveis” no futuro que deixarão as coisas mais interessantes. O começo é meio “lento”,  mas se você tiver paciência de continuar assistindo tenha certeza que a história melhora com o tempo.

Com isso, vamos à avaliação final!

Pontos positivos:

- A personagem principal, e a dualidade de sua vida, dividida entre uma menina normal boazinha e desastrada que gosta de fazer boas ações e uma assassina samurai sádica caçadora de monstros que gosta de banhar-se em sangue. Este é basicamente o ponto chave do anime e aquilo que os episódios tem focado por enquanto. A própria Saya parece ser duas pessoas, sua personalidade muda completamente.

Saya2

Sayablood

Saya e “suas duas personalidades” são o ponto alto do anime.

- A plot dá um certo ar de “mistério”, dá pra sentir uma certa “tensão” no ar, como se fosse previsível que algo sério e grave está prestes a acontecer. É aquela velha história da cidadezinha pequena no meio do nada que parece ser chata e pacata mas guarda grandes e assustadores mistérios. O “clima” do anime tem sido esse.

Pontos negativos:

- Não impressiona. As cenas engraçadas são só engraçadinhas, não hilárias. Os personagens legais são só legaizinhos, e os chatos são insuportáveis ou totalmente desinteressantes. As cenas de ação são boas, mas nada surpreendente ou inovador.

- Por enquanto é só uma história cliché envolvendo personagens clichés. É aquele anime que você assiste com a impressão de “poxa, mas eu já vi isso 10000 de vezes”. Não é ruim nem bom, só repete a fórmula, sem originalidade.

^_^1

"Olá, sou o personagem cliché sorridente da Clamp deste anime, prazer em conhecê-lo." ^_^

Chute: (Aqui vou chutar algo que imagino que acontecerá no futuro do anime. Pode ser um futuro spoiler, mas eu não sei se é ou não, leia por sua conta e risco): Acho que o pai de Saya é “do mal”, ou pelo menos tem algo muito estranho ou bizarro com ele. É muito estranho a mãe da Saya ter morrido caçando esses monstros e o pai aceitar na boa que a filha faça a mesma coisa sem nem mesmo ajudá-la.

Otou-san

“Filha, tua mãe morreu caçando esses monstros, agora pega essa espada esquisita pra c****, fica cus óio brilhando que nem o capeta e vá arriscar sua vida fazendo a mesma coisa e possivelmente morra como ela! :D Papai tá tão orgulhoso de te ver voltar pra casa banhada em sangue toda noite! x3 <3 Agora enquanto você arrisca sua vida vou beber uma cerveja aqui e assistir o jogo do Curintcha :3 ueba~”

Recomendo?: Por enquanto eu diria que não, a não ser que você não tenha nada mesmo para assistir. Caso contrário espere sair mais alguns episódios e procure se informar se a história melhorou, etc. Não se preocupe, continuaremos falando deste e de outros animes por aqui!

Sayamad

"Não recomenda meu anime? Te cortarei em 1.000 pedaços, pela honra do Otou-sama."

Bem Vindos!

Nós somos otakus e otomes heróis da justiça com incríveis poderes, dedicados à nobre tarefa de crítica de animes e mangás!

Por favor acompanhem nosso trabalho!